O investimento foi realizado pela empresa Linzhi Ltd, localizada em Shenzhen na China. A região é conhecida por ser um centro de tecnologia global emergente, que possivelmente se tornará o coração financeiro da área da Grande Baía chinesa.

O protótipo da tecnologia de mineração Ethash foi realizado pela startup e utilizou um investimento de cerca de US$ 4 milhões. O novo equipamento promete excelência em questão de desempenho, com o chip E1400, que será utilizado para projetar novas máquinas de mineração. Além disso, contarão com GPUs de alta performance da NVIDIA.  

Após a fase de testes, a produção em massa será colocada em ação. Ao que tudo indica, o lançamento poderá reduzir drasticamente o consumo de energia, além de dobrar a taxa de mega hashes por segundo. Todo o projeto foi autofinanciado por Chen Min, fundador e CEO da Linzhi. 

Durante uma apresentação realizada pela empresa Linzhi Shenzhen em 2018, no Ethereum Classic Summit, foi anunciado que: “80 a 90% do custo de um minerador está nos ASICs/GPU. Se a AMD ou a NVIDIA decidissem minerar, elas poderiam rapidamente se tornar uma potência de mineração central”. 

A introdução completa sobre o projeto será apresentada na edição deste ano do Ethereum Classic Summit, que acontece entre os dias 03 e 04 de outubro, em Vancouver, no Canadá.